Como a Indústria Automotiva 4.0 vai mudar o mercado

Fábricas, montadoras, fornecedores, plataformas, todas as áreas do setor serão influenciadas

Imagem meramente ilustrativa para o título: Como a Indústria Automotiva 4.0 vai mudar o mercado

A Indústria Automotiva no Brasil tem apresentado bons índices de ascensão, o que é um alívio para os players do segmento que enfrentaram um cenário desesperador nos últimos três anos.

No ano passado foram vendidos 2.240 milhões de veículos, representando uma recuperação de 9,2%. Para 2018, a Fenabrave (concessionárias) e Anfavea (indústria) preveem um crescimento de 11,8% e 11,7%, respectivamente, do mercado interno. O setor automotivo tem altas expectativas para esse período. No entanto, é um engano pensar que as coisas voltarão a ser como eram antes.

Em um futuro recente, depois de chegar em casa com um carro voador, um carro autônomo pode buzinar no seu portão para entregar a pizza que você pediu por aplicativo. Como deu para perceber a Indústria Automotiva tem grandes planos para os próximos tempos, a principal responsável por essas mudanças é a Indústria 4.0.

As transformações do setor afetam as fábricas, montadoras, fornecedores, concessionárias, empresas de tecnologia e plataformas. Aliadas aos novos hábitos e a cultura dos motoristas, essas mudanças refletem em uma nova maneira de fazer negócios.

Você deveria acompanhar isso de perto

Um estudo realizado pelo Observatório Automotive Brazil 2025, mostra que todos os profissionais ligados ao segmento devem levar em consideração alguns fatores, antes de tomar decisões estratégicas em seus negócios. São eles:

·         Evolução tecnológica,

·         Mudanças nos hábitos de consumo,

·         Configuração mutante do mercado com redução de produtos de entrada,

·         Tributação e pressão de preços,

·         Nível de utilização da indústria,

·         Regulação/legislação de emissões e segurança,

·         Transformação da rede de distribuição.

A verdade é que, para continuar existindo, as marcas precisam se preparar para acompanhar as inovações do segmento. Agora, a pergunta do momento é: como fazer isso?

Em 2017, a Frost & Sullivan apresentou em um evento os cinco pilares para a digitalização da Indústria Automotiva. Com base nas informações divulgadas pela consultoria, confira algumas previsões para o segmento:

1. Cadeia Produtiva Interligada

Essa é uma das características da Indústria 4.0 com a contribuição do Big Data. Conectar todas as etapas da cadeia de produção com softwares na nuvem, permite gerenciar a fabricação do produto desde a idealização até a finalização do material. Dessa forma, os carros podem ser produzidos em massa e, ao mesmo tempo, serem personalizados. Outra vantagem é a identificação antecipada de possíveis problemas.

2. Tudo 4.0

A famosa Quarta Revolução Industrial, que vem junto a Internet das Coisas (IoT), Inteligência Artificial, Computação em Nuvem, Big Data, Machine Learning, Robótica Avançada, Novos Materiais/Materiais Inteligentes e Manufatura Aditiva (impressão 3D)/Híbrida.

3. Carros Conectados

Os carros estarão cada vez mais ligados à nuvem, o que garante maior autonomia aos veículos – os carros autônomos que dispensam motoristas já são uma realidade. Além de trazer inúmeros outros benefícios, por exemplo: será possível realizar atualizações a distância; a concessionária poderá verificar quando está na hora de fazer a revisão; e o próprio carro ainda terá a capacidade de se comunicar com a infraestrutura da cidade, para enviar informações sobre as ruas.

4. Novo varejo

O caminho do varejo, inclusive para outros mercados de atuação, é tornar-se um espaço conceito, um lugar para o público ter experiência com a marca. A concessionária tem o papel de encantar o consumidor, enquanto as vendas efetivas acontecem no meio online. A loja da Tesla é um grande exemplo de ambiente pensado para surpreender o motorista.

5. Mobilidade como serviço

Para falar do último tópico, precisamos voltar ao início e recapitular um ponto muito importante: as transformações na indústria automotiva não mudam apenas os veículos, elas influenciam os nossos hábitos. A mobilidade como serviço é uma prova disso, as pessoas vão deixar de comprar um carro para adquirir um serviço – reformulando completamente os modelos de negócios.

Outra novidade é o serviço de assinatura, no qual é possível pagar uma mensalidade para ter direito a usar determinados modelos de carros. Grandes empresas de serviços estão investindo no desenvolvimento de carros autônomos visando atender essa tendência e transformar o setor. 

Chat
Email
Telefone